quarta-feira, 12 de maio de 2010

Por que eu defendo que as drogas têm que ser legalizadas: Um apelo pelo fim da guerra às drogas


O texto que se segue é do jornalista e especialista em Políticas de Justiça Criminal e Segurança Pública, Vitor Abdala, repórter da Agência Brasil e blogueiro - http://rioponto40.blogspot.com/. Um texto esclarecedor, que coloca ponto a ponto o porque ele (e eu, Cecília) concorda com a legalização das drogas. Leitura obrigatória para qualquer pessoa que quer debater o assunto.

Por Vitor Abdala

Queria aproveitar hoje, que estou em casa me recuperando de uma sinusite, para fazer algumas reflexões sobre o tráfico de drogas e responder algumas perguntas geralmente feitas a mim, em conversas familiares e em mesas de bares, quando defendo a legalização das drogas.

- Há quantos anos as drogas são proibidas?
R: Pelos meus cálculos, há 96 anos nos EUA e há 89 anos no Brasil.

- A violência diminuiu neste período?
R: Você sabe que não.

- Foi a droga que matou todas essas pessoas no decorrer desta “guerra”?
R: Não, com exceção de algumas overdoses.

- Por que as drogas são proibidas?
R: A proibição às drogas começa nos Estados Unidos, então um país em ascensão no cenário internacional. Foi na década de 1910 que surgiram as primeiras proibições de substâncias entorpecentes, como uma política discriminatória contra populações imigrantes e minorias étnicas no Tio Sam (qualquer semelhança com as atuais políticas de discriminação contra a população muçulmana não é mera coincidência). O uso de ópio pelos chineses contratados para construir ferrovias no oeste dos EUA, o de maconha pelos mexicanos e o de cocaína pelos negros eram uma ameaça à sociedade cristã norte-americana (pressuposto no mínimo curioso, uma vez que o uso de drogas nunca foi restrito às minorias e nem aos imigrantes). As drogas, segundo os inteligentes defensores da proibição, criavam o ócio e a tendência à violência por essas populações, o que ameaçava a branca e protestante sociedade anglo-saxã nos Estados Unidos. Não por acaso, substâncias como a cocaína que eram amplamente utilizadas tanto nos EUA como na Europa, começaram a ser demonizadas. E logo, a comunidade internacional estranhamente começou a dizer que essas drogas eram ruins e que seu uso precisava ser banido do mundo.

- A sociedade brasileira teve a chance de decidir se queria legalizar as drogas ou não?
R: Não, nunca tivemos essa chance.

- O tráfico de drogas é um crime violento?
R: Não. A cocaína não mata ninguém além do cara que ingerir uma quantidade superior àquela que seu organismo pode suportar. Como eu não cheiro, não corro risco de morrer por causa da cocaína.

- Você quer dizer então que os traficantes não são violentos?
R: Não, nunca disse isso. Disse apenas que a venda de drogas não é, por si, um crime violento. É como comprar e vender pão, por exemplo. O problema são os crimes conexos com essa atividade ilegal, ou seja, homicídios, agressões, roubos, torturas, porte ilegal de arma, corrupção, extorsão etc.

- Mas, se você diz que o tráfico de drogas não é violento, por que há tanta violência envolvida?
R: Porque em negócios ilegais, não há justiça ou tribunais arbitrais para decidir controvérsias. Por exemplo, se você tiver uma carga de cocaína roubada, você não vai poder registrar a ocorrência na DP do seu bairro. Você precisa resolver de forma violenta, para mostrar quem é que manda e, assim, evitar que sua carga não seja roubada novamente. Então o “traficante” mata o cara que o ludibriou para mostrar que não se pode roubar sua droga e ficar impune. Outro exemplo: Se alguém tentar invadir meu território, não posso reclamar com ninguém, preciso meter bala para não perder o que é meu. Logo, negócios ilegais se resolvem de formas ilegais.

- Então, se a venda de drogas for legalizada, a tendência é que a violência diminua?
R: Eu, pessoalmente, acredito que sim. Controvérsias poderão ser resolvidas em tribunais e não precisarão mais das armas.

- Por que você acredita que a legalização vai diminuir a violência relacionada ao tráfico de drogas?
R: Porque isso é o lógico. Mas, de qualquer forma, há pelo menos um exemplo histórico que serve de paradigma para se fazer uma análise como essa. Trata-se da Lei Seca dos anos 20 e 30 dos Estados Unidos, período durante o qual a venda de bebidas alcoólicas foi proibida completamente, assim como a cocaína e a maconha hoje. Apesar do curto periodo em que houve a proibição, ele foi suficiente para estimular o surgimento de máfias de contrabando de bebida alcoólica, o aumento meteórico dos homicídios, a falta de controle sobre a qualidade do álcool consumido, a corrupcão e a matança de policiais. Problemas resolvidos depois que o álcool voltou a ser legal nos EUA.

- Traficantes são pessoas más e cruéis, que visam desestabilizar o Estado constituído, para poder implantar seu Estado Paralelo, instalar o caos sobre a cidade e reinar sobre um cenário apocalíptico como servos de Satã?
R: Se formos acreditar em tudo o que a policia, as autoridades e a imprensa publicam, sim. Se pensarmos criticamente, chegaremos à conclusão de que traficantes são apenas comerciantes capitalistas que querem ganhar dinheiro vendendo mercadorias a outras pessoas que desejam comprá-las. Claro que há bandidos violentos, assim como há policiais violentos, jogadores de futebol violentos, jornalistas violentos, políticos violentos etc. E, como falado acima, muito da violência do negócio jaz justamente no fato de ser ilegal.

- Dizem que, se as drogas forem legalizadas, muitas pessoas vão começar a usar essas substâncias. Com isso, o numero de pessoas drogadas vai explodir...
R: Bem, experiências de descriminalização ou legalização parciais em países como Portugal e Países Baixos mostram que isso não aconteceu. Mas, de qualquer forma, esse é um risco que temos que correr. Afinal, a proibição às drogas nunca impediu que seu consumo explodisse no mundo todo. Segundo me consta, o uso das drogas começou a crescer justamente nas décadas de 60, 70 e 80, justamente quando a repressão se tornou mais forte. Logo, se a proibição não inibe o consumo, por que não tentar a legalização?

- A legalização vai aumentar os roubos de rua, já que as pessoas vão consumir mais e precisar de mais dinheiro para comprar a droga?
R: Bom, se eu não acredito que vá haver grande aumento no consumo, não tem por que crer que haverá aumento nos roubos. De qualquer forma, o Rio de Janeiro já tem tanto roubo de rua que não é um drogado a mais que fará diferença. E mais, com a legalização, a polícia não precisará mais investir essa fortuna que hoje investe na repressão ao trafico. Poderá destinar todos esses recursos para reprimir o que realmente aumenta a violência urbana: roubos e homicídios.

- Mas como a gente pode apoiar a legalizacão de uma coisa que faz mal à saúde das pessoas?
R: Bom, se você acredita na liberdade individual das pessoas, então você deve aceitar que cabe exclusivamente ao indivíduo decidir se ele quer usar ou não determinada substância em seu organismo. Não cabe a mim, a você ou ao Estado decidir se fulano quer se drogar ou não. O consumo excessivo de drogas pode afetar a saúde das pessoas assim como o uso excessivo de álcool, de cigarro, de botox, de gordura ou até de comida fast food. O uso excessivo de drogas pode levar à morte assim como um voo de asa delta, um salto de para-quedas, a prática de surfe, as corridas de automobilismo, as lutas esportivas etc. Tudo isso é perigoso e depende exclusivamente da vontade individual de cada pessoa. Nenhuma dessas coisas é proibida pelo Estado, só o consumo de drogas.

- Então como podemos legalizar as drogas?
R: Em primeiro lugar, precisamos estimular o debate crítico da sociedade, em vez de reprimir os setores que pedem o diálogo toda vez em que eles se manifestam em favor da legalização. Em segundo lugar, com o debate maduro, o país deve propor um referendo para conhecer a opinião da população brasileira sobre o assunto. A partir daí, o Brasil deve se retirar do tratado internacional antidrogas das Nacões Unidas, para que possa decidir soberanamente (isto é, sem precisar dar satisfação, como um cordeirinho submisso, aos Estados Unidos ou à Europa) sobre o futuro de sua sociedade. Depois, pode-se mudar a legislação nacional sobre o assunto, para que possa ser adotada uma legalização gradual das drogas, começando pelo fim da repressão ao consumo das substâncias menos perigosas e terminando, em médio prazo, na legalizacão do uso e venda de todas as drogas (isso mesmo TODAS, sem exceção).

- Você só esta defendendo a legalização das drogas porque você é um maconheiro que quer se drogar sem o incômodo da repressão policial...
R: Aí você se engana. Não uso maconha, cocaína ou qualquer droga ilícita. Nem pretendo usá-las depois da legalização. A única vez em que pus um cigarro de maconha na boca foi num coffee shop em Amsterdã, onde isso é legal. Mas devo confessar que dei apenas duas tragadas no cigarro e tossi tanto que nem quis fumar mais. Defendo a legalização apenas para me livrar do grande incômodo da despropositada e letal guerra às drogas que fomos obrigados a importar dos EUA há 40 anos.

- Sou um policial, promotor, juiz, politico. Como posso defender uma coisa ilegal como as drogas?
R: Bem, as drogas só são ilegais, porque elas ainda não foram legalizadas. A discussão aqui é justamente para acabar com a ilegalidade.

- Mas legalizar as drogas seria reconhecer que perdemos a guerra contra o tráfico...
R: Cara, sejamos realistas. Os EUA, que são os EUA e que têm apenas que vigiar a fronteira com o México ao sul (a fronteira com o Canadá, ao norte, não traz grandes problemas, com exceção do tráfico de BC Bud), não conseguem impedir as centenas de toneladas de drogas que chegam ao país todo ano. Por que vocês acreditam que o Brasil, que tem 15 mil km de fronteiras terrestres e é o único pais do mundo que faz fronteira com os três produtores de cocaína, vai conseguir? Sejamos realistas...

- Qual seria o futuro do comércio das drogas depois da legalização?
R: Como qualquer produto legal dentro do sistema capitalista, o comércio seria regulado pelas leis de mercado, sob o controle estatal. Em vez de bandidos armados, empreendimentos legais poderiam vender essas substâncias, como é o caso do álcool, vendido nos milhões de botecos desse Brasilzão. A fabricação seria feita por industrias a serem vistoriadas periodicamente com controle de qualidade a ser aferido pela Anvisa ou pelo Inmetro. A plantação de coca seria fiscalizada pelo Ministério da Agricultura. O produto seria vendido no comércio varejista dentro da embalagem lacrada na fábrica, para impedir a adulteracão. A pureza da droga seria informada na embalagem. Os lucros do comércio chegariam aos cofres publicos por meio de impostos. Parte dos impostos seriam revertidos ao Ministério da Saude, para que ele pudesse investir mais em unidades de recuperação de drogados. A polícia não precisaria mais trocar tiros com favelados. Tampouco se corromperia com arregos de criminosos. Os criminosos ainda usariam suas armas durante algum tempo para praticar crimes nas ruas, mas logo isso seria reduzido, já que eles não teriam mais o dinheiro do tráfico para financiar suas armas e munições. Os governos fariam uma anistia para o crime de tráfico (apenas para esse crime, já que assassinatos, roubos etc teriam que ser julgados) e traria os milhares de vapores, soldados, fogueteiros para o comércio legal, através de programas de emprego específicos. A venda para menores seria proibida como acontece no caso dos cigarros e bebidas alcoolicas.

40 comentários:

  1. Muito bom! Peço licença para copiar e colar no http://ideiatorta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos pela lógica então: O tráfico vai continuar normalmente, pois como o cigarro e a bebida hoje legalizadas, tendo todos os impostos do governo incidindo no produto final, os usuários vâo continuar à comprar dos traficantes por preços bem mais baratos, o que vai acontecer é que vão construir um país de zumbis, como as imagens mostradas na evacuação da cracolândia em SP. Os traficantes não vâo mais importar a droga, vão roubar do governo. Vai ficar bem mais fácil para o tráfico. Vai ser interessante o Brasil produzir cocaíca, crack, extase com controle de qualidade e certificado, pois pela lógica, dificilmente os usuários vai ficar só na maconha medicinal. Ou alguém acredita mesmo nisso?

      Excluir
  2. Quanto a questão do possível aumento de roubos:
    Traficantes fazem a comercialização das drogas ilícitas. Eles cobram caro por essas drogas, muito mais caro do que o governo poderia cobrar, por isso vemos roubos para pagar dívidas dessas drogas e quem não paga é morto.
    Logo, com a legalização a preços justos, e a permissão do plantio pra consumo próprio, é capaz até de diminuir consideravelmente esses índices.
    Não vemos roubos para o consumo de álcool nem de tabaco.
    .
    Parabéns pelo texto!! Muito bom.. Muito esclarecedor!

    ResponderExcluir
  3. Meu parabéns. Ótimo texto. Uma pergunta, até aonde um abaixo assinado, teria efeito no senado?

    ResponderExcluir
  4. Pensamentos : "Se quem vai pagar o tratamento de um viciado também vai ser eu, posso proibi -lo de se viciar?"

    ResponderExcluir
  5. Seu ponto de vista e suas comparações.
    Não concordo, mais respeito.
    Quando você diz que não usa droga, fico com aduzidas pois só quem a defende senta amor por ela.
    A desgraça que isso faz no organismo do ser humano o torna um doente incurável.
    Pergunte a qualquer médico que não use droga. Ele te dirá os efeitos disso no organismo do ser humano.
    Cocaína e Crack deveriam ser tratadas pelos nossos governantes com mais seriedade, principalmente pela sociedade hipócrita.

    ResponderExcluir
  6. Texto esclarecedor de um ponto de vista. Mas de outro, a legalização inclui 2 lados: 1 comprador e 1 vendedor que, se legalizado, poderá até emitir nota fiscal pela venda do tóxico? Quem vende é um comerciante. Teremos lojas do tipo que vende suplementos alimentares, mas no lugar disso, encontraremos drogas? Uma estante com opções de cocaína, maconha, etc..?

    ResponderExcluir
  7. bem eu acho que vc esta louca,,te pergunto vc conheçe algum viciado em crak creio que não, então não compare Brasil com EUA, vc esta fazendo um mal á familia que tem um viciado, e quanto a vc não usar,,vc pode enganar alguns mas amim vc não engana.

    ResponderExcluir
  8. Uma pena um comentário ANÔNIMO conter não apenas erros de português, mas também de julgamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu último comentário - o mais importante num blog são as idéias, a troca de opiniões, é muito interessante ver todos os lados, não restrinja seu público com comentários sobre erros de português, garanto que vc vai colher mais frutos verificando idéias e não se o cara escreve ou julga corretamente. O que importa é o seu trabalho, seu ideal e sua consciência. E pra finalizar comente sobre o voto liberado nos presidios, existe a Lei Ficha Limpa, foi um enorme avanço mas em compensação impomos aos presos o voto de cabresto, imagine alguém preso numa penitenciária, e determinam que o preso e sua família deverão votar em fulano, que depois irão verificar a quantidade de votos da urna da sua penitenciária, caso não tenha um número que eles achem suficiente, alguém vai morrer num sorteio, pode ser qualquer preso. Isso é o que está acontecendo. É muito mais fácil desviar dinheiro de uma obra do que roubar arriscando a vida, estamos dando carta branca para a corrupção do poder em nosso País.

      Excluir
  9. Cecília, parabéns pelo post. Se eu dissesse que não fico preocupada com o modo como esse tipo de droga seria vendida, eu estaria mentindo. Mas você tem razão :a ilegalidade nunca impendiu que pessoas tivessem acesso, criando assim o trafico e problemas ainda maiores. Deste modo, mesmo nao usando, sou a favor da legalização. Sei que nem preciso dizer isto, mas não se intimide com comentários do tipo "vc é a favor pq usa". Acho que pessoas conscientes conseguem ver além da própria experiência.

    ResponderExcluir
  10. Muito Obrigada Virgínia. Infelizmente há pessoas que não entendem a diferença entre debater política e defender bandeira própria. Mas, felizmente, há quem endenda.

    ResponderExcluir
  11. agora que vc escreveu este texto e abriu um grande tópico para discusão, quem sabe faça uma pesquisa dos danos q as drogas causam no cérebro de uma pessoa, pesquise quantas pessoas morreram de overdose, pq vc citou q são poucas, mas não são.

    sou estudante de psicologia e já vi muitos casos e fiz muitas pesquisas relacionadas com o uso de drogas!
    trabalho em uma escola onde ja vi crianças de 14 anos serem levadas para o hospital completamente drogadas.

    ja parou para pensar no aumento de casos como esses se as drogas fossem legalizadas?

    vcs usuários querem que seja legalizada para poderem estar chapados a hora q quiser, onde quiser sem dever nada para ninguem,
    sem precisar responder a autoridades pelos atos, pq dai a desculpa vai ser que está drogado, mas q a droga é legalizada!

    vão fazer campanhas contra abandono de menores, vão dar a cara a tapa num programa de tv e defender a educação do país como a professora amanda fez neste ultimo domingo.

    usem a inteligencia q ainda resta, e a parte do cérebro de vcs que ainda não foi "tomada" pelas drogas por uma causa justa!!!

    ResponderExcluir
  12. Sr Anônimo estudante de psicologia, há diferença entre discutir uma política pública e hastear bandeira de uso próprio. Se eu debater o aborto é pq fiz um aborto? Se eu debater união homoafetiva é pq sou homossexual? Pela sua lógica, sim. Não é pq eu sou parte de uma sociedade e defendo políticas abrangentes, fora do meu umbigo. Bom, saiamos deste triste senso comum e partamos para a empiria, que é o que interessa: - Com informações do Datasus: No RJ, foram 1.094 baleados atendidos pelo SUS em 2010, ante 1.024 em 2009. Em 2008, haviam sido 942 internacoes de baleados no estado. Vc, como sábio, pode me dizer quantas pessoas morreram de overdose neste mesmo período? Pq aí vamos contrapor os dados. O que peço é a discussão da política, que deve ser voltada para a redução de danos e não voltada para o enfrentamento. Achei que tinha deixado isso claro no texto.

    ResponderExcluir
  13. que idiotice é apenas suposicoes , nem vc e acho que ate agora ninguem sabe realmente o efeito que as drogas iria causar em um pais como o brasil

    ResponderExcluir
  14. E se depender de pessoas como você, nem vamos saber, já que quem discute o assunto, o faz por lobby, não é?
    Obs: "são apenas suposições".

    ResponderExcluir
  15. Olá, quanto à legalização das drogas, de fato, seria um absurdo. Quantos crimes são cometidos quando a pessoa está sob efeito de álcool? Imagine a criminalidade sendo potencializada pelos consumos dos viciados em droga?

    Em qualquer lugar, em qualquer esquina, algum usuário poderá fumar o seu "umzinho" sem problema algum, pois afinal de contas, está tudo liberado!

    E o problema não fica estacionado em quem usa somente, mas também naqueles que estão ao redor. A questão é: em decorrência da irresponsabilidade dos usuários, quantos inocentes poderão ser prejudicados?

    Já presenciei em escolas públicas, usuários que estavam "viajando" na droga e quase mataram a diretora. É justo? E outra, qual o benefício para o corpo-mente de um usuário?

    Em vez de promover o consumo legal das drogas, deveriam sim, fazer promoção para que hábitos saudáveis fossem adquiridos. Quem usa droga é uma pessoa intimamente frustrada, infeliz que tenta desesperadamente encontrar uma válvula de escape nas drogas. Essas pessoas precisam é de paz interior,de Deus, encontrar o próprio eixo e viver uma vida feliz longe da escravidão do vício.

    Sarah

    ResponderExcluir
  16. Quem faz uso de todo e qualquer tipo de droga ilegal, o faz por ter consciencia do que está fazendo, da mesma forma quando alguém bebe está assumindo os riscos enfrentados, ou quando alguém fuma cigarro esta consciente de que matará inumeros neuronios... agora faco uma pergunta a todos os que banalizam a legalizacao da maconha: Qual pesquisa indica que o uso da maconha queima neuronios, ou que cause paranoia ou que maconha vicia? A eu sei a resposta: NENHUMA PESQUISA AFIRMA QUE A MACONHA CAUSA TANTOS DANOS, AS INFORMACÕES NÃO SÃO COMPROVADAS!

    Também trabalhei em escola e vi muitas vezes adolescentes chegarem na aula caindo de bebados, chapados, cheirando a cigarro.. a melhor atitude a ser tomada é avisar aos pais.
    Quem aceita de um "amigo" qualquer tipo de droga é por que não foi devidamente informado das consequencias formadas sob principios eticos e morais e não cientificos.

    ResponderExcluir
  17. Cecília,
    Parabéns pela postagem.

    Confesso que não entendo quem, compreendendo que o abuso da droga é nefasto, insiste em defender a manutenção do estado de coisas.

    Aqueles que tratam de perto as vítimas da droga deveriam ser os primeiros a pugnar por uma ótica calcada na saúde pública e não na repressão policial.

    De tudo que foi dito por você, discordo apenas da anistia aos já condenados por crime de tráfico. Acredito que a manutenção das penas atuais para o comércio das drogas fora da regulamentação e controle legais fortaleceria o comércio lícito junto à demanda pelo produtos disponíveis.

    Quanto ao crack, por exemplo, acho que esta droga não poderia ser objeto de regulamentação comercial, jamais. No entanto, a criminalização do usuário de qualquer droga (da cafeína à heroína) é um equívoco que deve ser corrigido o quanto antes.

    Sucesso e força!

    ResponderExcluir
  18. para vcs saberem mais sobre tráfico de drogas eu recomendo este video de um ex-policial de los angeles, pena q não tem legenda. lá pelo fim ele diz que se o $ do tráfico for retirado os 8 maiores bancos do ocidente vão à falência http://video.google.com/videoplay?docid=-7009998324250484369

    ResponderExcluir
  19. Você deveria ser presa por apologia ao crime e ao fragelo social.

    ResponderExcluir
  20. Defender uma releitura de cenário e mudança de política = apologia ao crime. Viva a democracia! (Obs: interpretação de texto é realmente difícil, eu sei. E outra: fragelo não existe. é FLAGELO, com L)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser presa? Afe...qnt ignorância!

      Excluir
  21. Realmente um absurdo a falta de visão deste anônimo. Bem porque as afirmações dele corroboram a legalização. Proibir algo é simplesmente abrir mão do controle desta mesma coisa. Eu pelo menos nunca vi um orto de bala perdida em troca de tiros entre a AMBEV e a Cervejaria Petrópolis ou entre donos de botecos da mesma rua, ou ainda nunca vi traficante pedir identidade de ninguem pra conferir se é maior de idade ou não. Gostaria de esclarecer ainda que existe uma associação EXCLUSIVAMENTE de agentes da lei (juizes, policiais, promotores,etc) que defende a legalização justamente por ter visto como a coisa funciona por dentro e chegado a conclusão que a legaliação é a soluçã só pesquisar LEAP. Como vai ser o mundo se for legalizado ? Simples como sempre foi. Existem registros de uso de drogas psicoativas de mais de 5000 anos e as drogas só foram proibidas nos ultimos 100. Antes da proibição nossos antepassados não eram uma massa inútil de drogados acéfalos, assim como não somos uma massa inútil de alcoolátras só porque o álcool é permitido. Ridículo o comentário da Sayb que mostra o quao pequena é a compreensão das pessoas sobre o assunto e como o discurso proibicionista está arreigado no pensamento da população em geral. Só para comentar por cima, durante a Lei Seca Americana milhares ficaram cegos por causa do álcool de má qualidade, caso as drogas sejam legalizadas os danos causados pelas mesmas vai diminuir pois vai ter controle de qualidade tal qual como o álcool.
    Uma outra coisa importante é que a forma como está não se tem um retrato fiel da realidade, os dados de uso de drogas brasileiro são baseados em ocorrências policias, portanto se uma pessoa é usuária de drogas mas não tem passagem pela polícia para o governo ela é careta. O consumo de álcool tabaco só está diminuindo pois como não se marginaliza seus usuários é possível ter um retrato mais fiel do consumo e trabalhar campanhas e ações direcionadas aos grupos de risco. Ou ainda mesmo o cara queira ajuda para largar o vício muitas vezes tem receio de procurar pois vai ser tratado como a escória da humanidade, muitas vezes os viciados lidam bem com o vício e não querem ter que lidar com o estigma. Para fechar me dando a liberdade de responder outro anônimo. Sim é isso mesmo seria vendido tal qual o álcool, em lojas por comerciantes. Provavelmente em um modelo racional se teria uma loja pra cada tipo específico de droga para evitar a escalada no consumo.
    O governo que que continue proibido, pois assim fica fácil jogar a culpa na droga, a culpa daquele mendigo viciado em crack não é do Estado que nunca deu uma educação de qualidade, que não deu oportunidade dele se inserir na sociedade, que não dá uma alternativa para ele se tratar do vício de forma saudável a culpa é do crack... O governo quer continuar tendo seus demônios para culpar e disfarçar a sua incompetência.
    A proibição mata muito mais que qualquer droga por sí só poderia matar. Alguem comentou sobre mortes por overdoses, primeiro mais da metade dos usuários de drogas ilegais é usuário exclusivo de maconha que ao contrário do álcool, das aspirinas e até da água (sim beber água demais mata) não causa overdose.
    Agora falando da maconha, é uma das plantas mais versátesi do mundo até a revolução industrial e a invenção dos derivados dos petróleo 80% do papel (produz 4x mais celulose que o eucalípto e pode ter a primeira colheira em 4 meses diferente doa 8 anos do eucalípto), 90% das roupas 98% das velas para navios e cordame navais eram feitas de maconha assim como o segundo óleo mais usado na iluminação urbana (só perdia para o óleo de baleia), fora remédios, e alimentação (a semente de maconha é altamente nutritiva). Fora os diversos usos atuais em cosméticos por causa de um medo irracional se proíbe um imenso mercado ecologicamente correto pois usa pouco ou nenhum agrotóxico, precisa de pouca adubação e cresce em qualquer lugar no mundo...

    ResponderExcluir
  22. Com todo respeito senhora Cecília,posso afirmar que não sou nenhum expert no assunto mas,posso falar com propriedade sobre os efeitos maléficos que uso de entorpecentes nos traz,não só ao usuário mas,principalmente à sua família,pois sou pai de um viciado...

    ResponderExcluir
  23. Cap Caverna, me solidarizo com sua dor. A discussão sobre drogas, e sua posterior legalização, se for o caso, colaboraria com esta situação em, ao menos, três situações: 1) Os dependentes químicos não teriam mais medo de procurar ajuda e ir pra cadeia por um problema de saúde 2) a regulação do uso (e tb da comercialização) traria parâmetros de qualidade para produção destas substâncias. Por ex: cocaina não seria mais refinada com gasolina, o que ferra ainda mais a vida de um dependente. 3) formalizando e regulando o uso, forçosamente, há de se criar mecanismos para o controle do uso e meios de tratamento eficazes, já que o usuário não mais será marginalizado. Hoje, praticamente todos os tratamentos são feitos por conta dos familiares, de forma bastante onerosa. Ademais, a discussão se faz necessária para o Brasil como democracia que ele é, e para que conheçamos nossos flagelos. Abs

    ResponderExcluir
  24. Respeito todas as opiniões aqui colocadas mas não posso deixar de expor minhas experiências próprias, pois vejo todos os dias no meu trabalho, já que sou Policial Militar, o que as drogas causam nas pessoas, seja o álcool, o tabaco, ou as ilícitas, todas elas deixam o usuário em estado de torpor, sem ter a real noção do que estão fazendo, por esse motivo nós policiais, sempre atendemos ocorrencias com pessoas alteradas mais atentos a todas as atitudes que possam atentar contra nossa integridade e a de terceiros, excluindo as atitudes de maus policiais, mas também uma espécie de rebeldia dos infratores da lei (consumir drogas ainda é uma infração contra a lei) contra a polícia, diria até mesmo preconceito com os policiais que estarão apenas cumprindo o dever, o que leva na maioria das vezes a confrontos. Todas essas drogas citadas, incluindo sim o álcool e o tabaco, na questão psicológica, corrompem o senso do certo ou errado levando o indivíduo a fazer o que não faria se não estivesse sob tal efeito psicotrópico, sem contar na questão física onde por miníma que seja a quantidade causam alterações nas funções do organismo, e como ja foi citado, para se tratar usam o serviço público de saúde, que é pago por todos por meio de impostos astronômicos. Por esses e muitos outros motivos que sou contra a legalização das drogas e também a favor do banimento das drogas lícitas, mas isso seria muito difícil pois já está cravado na cultura da sociedade. Sou a favor sim do aumento da pena para traficantes e também para os usuários, pois esse papo de que é um doente, uma vítima, ta furado, pois com tanta informação à disposição quem se entrega à isso o faz por livre e espontânea vontade e tem que arcar com as consequências pelos motivos acima descritos: alteraçoes psicológicas e físicas, colocando em risco a si mesmo e aos outros cidadãos e ainda onerando o sistema ja falido de saúde pública. Seria muito boa essa utopia de não nos preocuparmos com traficantes e usuários de drogas causando problemas, ficando exclusivamente focados no combate aos outros crimes, mas enquanto a sociedade não estiver preparada para viver respeitando os limites dos direito e consciente dos seus deveres, terá que conviver com as muitas leis para limitar e disciplinar os direitos e também para obrigá-la a cumprir seus deveres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensamento militarista,típico de policial. Os problemas já existem.

      Excluir
  25. O comércio clandestino de bebidas alcólicas e de cigarro é altíssimo. E quem consome estes sub-produtos é a classe pobre. Os autores flagrados respondem por crimes menores como descaminho e por fabricarem clandestinamente bebidas. As drogas
    se legalizadas só servirão para elitizar o produto. Os consumidores classe média não precisarão se submeter ao perigo de comprar na boca...MAS O COMÉRCIO CLANDESTINO DE DROGAS CONTINUARÁ! Isso as pessoas não entendem...só mudará de nome...não será mais tráfico. Mas as drogas continuarão sendo vendidas clandestinamente, terão pior qualidade (tal qual cigarro paraguaio e bebidas de alambiques clandestinos) MAS CONTINUARÃO SENDO VENDIDAS NAS BOCAS...SÓ QUE PARA OS POBRES, POIS DEVIDO A SUA QUALIDADE BAIXA (MISTURAS) COM PREÇO MAIS BARATO! Isto chega a ser tão óbvio que só quem não conhece a realidade das favelas acredita no fim do comércio ilícito de drogas e suas consequências. Legalizar a droga é ELITIZAR SEU USO...SÓ. a violência não vai diminuir um centímetro. A droga anda de mães dadas com a violência, tanto que traficantes cariocas proibiram a venda de crack. No Uruguai, onde a droga será permitida, o consumidor fará um cadastro e comprará maconha de boa qualidade. Como se isso fosse acabar com o raficante que venderá a droga misturada, mais barata e para os pobres. Sem contar muita gente não se cadastrará, ou um médico, advogado, jornalista etc vai se colocar como usuário de drogas? Qualquer problema de trânsito, na sua profissão ou de qualquer espécie ele seria acusado de estar drogado. E CONTRATARÁ LARANJAS PARA COMPRAR A DROGA...continuando a clandestinidade do uso. Isso chama-se realidade prática...o que nacontece no ndia-a-dia. traficantes sempre venderão drogas CLANDESTINAMENTE, pois sua droga é misturada e de baixa qualidade. E sempre terá seu território, sua clientela e os defenderá de forma violenta, porque é isso que sabe fazer. Tem os contatos, tem as armas. ISSO ÉM ELITIZAÇÃO...E AQUI ESTÁ O EXEMPLO: http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/ecstasy-generico-ganha-espaco-nas-bocas-e-tem-efeitos-piores-que-o-original-20120807.html

    ResponderExcluir
  26. Se entendi bem o texto, a legalização das drogas contribuiria para a redução da violência. Para o autor o comércio de drogas não causa a violência, mas sim sua condição de ilegalidade, trazendo este comércio para a legalidade, todas as mazelas do comércio ilegal seriam reprimidas ou extintas.
    Como operador de segurança pública, ou seja, policial, discordo do ponto de vista do autor. O comerciante de drogas, traficante não pode ser visto como um mero capitalista ou empresário que busca a venda de um produto e atende a uma demanda, este individuo busca um lucro maximizado ao extremo. Apesar de todos os riscos que correm: ação repressiva da polícia; prisão; necessidade do enfretamento armado a outros concorrentes, estes indivíduos se aventuram no tráfico devido à lucratividade do comércio ilegal e as perspectivas de grandes ganhos e curto período de tempo.
    Traficantes nunca se sujeitariam a um mercado formal de venda de entorpecentes, a pagar impostos do comércio ou atender regras de qualidade do produto a ser comercializado. Se legalizada a comercialização passaria a ser realizada por empresários que já atuam no mercado formal, se estes entendessem que mercado lícito seria lucrativo.
    O que quero esclarecer com esta pequena participação é que todo este exército que hoje atuam no tráfico de drogas migraria para outras modalidades criminosas na busca do dinheiro fácil e não para o mercado formal, o que, por conseguinte já está acontecendo, alguns traficantes para diversificar sua atuação estão migrando para o crime de furto a caixas eletrônicos, onde as penas são muito mais brandas do no tráfico de drogas. Aqui vale lembrar que a principal organização criminosa surgida nos governos militares, a Falange Vermelha, era especializada em assaltos a banco em sua origem, migrando posteriormente para o tráfico de droga, devido a repressão policial ao crime contra o patrimônio e pelo tráfico de drogas se mostrar mais lucrativo e menos perigoso. (leia 400 contar 1).
    Para concluir é um equivoco vincular o uso de droga a faculdade de liberdade individual, o autor se conhecesse os efeitos da droga entenderia que o viciado não faz escolha de fumar, cheirar ou injetar, ele o faz por vício o qual não pode controlar. Seu livre arbítrio já foi anulado há tempos. Cigarro e álcool também são drogas e matam muito. Que eu saiba nunca ninguém se viciou em botox, gordura ou comida fast food, quando uma pessoa escolhe esportes radicais ele entende os riscos, avalia as consequências e decide livremente, quando alguém usa drogas pode até entender os riscos, mas não é capaz de se controlar se for um viciado, portanto entendo que a legalização das drogas não traz benefícios nem para a sociedade, muito mesmo para o individuo, talvez, quem sabe, para alguma indústria farmacêutica multinacional, nunca para os produtores da coca nos países produtores.
    Quando a ineficiência do combate ao tráfico o motivo é que não há coordenação entre ações repressivas e preventivas que envolvam todos os órgãos governamentais e a sociedade.
    Droga é um problema de todos. A legalização simplesmente reduz o problema para os usuários, família e amigos. Espero que vocês não sejam sorteados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o Sr.Policial não entendeu que o empresário não seria o traficante de hoje. Que texto fraco. Existem milhões de usuários em drogas e é a minoria que está causando problemas nas famílias. Fast food não vicia??? Não mata??? Que ignorância.

      Excluir
    2. Minoria que esta causando problemas ?!! Pósso até pençar que você é um usuario da alta classe , que uma minoria é atendida pela saude pública eu acredito , cai na real a liberação das drogas só favoresse os usuarios e ninguêm mais , temos hospitais lotados e postos de saude catando recursos para atender quem realmente mereçe e precisa , e pessoas se movimentando para deixar isto piór ainda , NUNCA SERÃO !

      Excluir
  27. Concordo com Alex PQD, e acrescento que entre os fumantes, ninguem começou a fumar depois dos 18. Com as outras drogas, se legalizadas, a lei diria : Proibida para menor de 18 anos, mas certamente, na prática, não seria assim. Outro fato, a maconha tem efeitos diferentes conforme a idade, sendo mais nociva nos adolescentes. E se forem legalizados os produtos de origem vegetal, por que não os de origem na industria farmacêutica, os de uso controlado, psiquiátricos?

    ResponderExcluir
  28. agora me responda!

    A respeito das pessoas que se viciarem a quaisquer drogas, e que ainda não tenham uma qualificação que atinja o mercado de trabalho assim não garantindo seu auto-sustento.
    quais os recursos que elas usarão para poder sustentar o seu vicio
    Trabalhar, ou sob o efeito das drogas praticar atos criminais?

    agurado respostas!

    ResponderExcluir
  29. que texto venenoso , tinha que vim de uma mulher mesmo, enfim...hoje em dia o mais sabio e comprar uma arma e cometer um suicidio pois o ser humano perdeu seu senso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho 3 dúvidas sobre seu comentário Sr. Anônimo: 1) vc quis dizer que a cabeça do seu "falo" pensa mais que a do autor, se porventura essa fosse mulher; 2) vc pensa com a cabeça de baixo; 3) os problemas cognitivos do Sr ~ serumano ~ em questão não o permitiram ver que o texto é assinado por um homem? É tão dificil assim argumentar tenicamente?

      Excluir
  30. O próprio autor afirma ter provado maconha em Amsterdã pois lá não é ilícito tal prática nos Cafés. Ora a principal porta de entrada para a "vida loca" é a curiosidade, e se a oportunidade for dada de forma tão acessível a molecada vai ficar doida!
    O autor não explica que o prazer proporcionado pelas substâncias ora proibidas, são de uma intensidade tão grande que nada consegue substituir, não dá para trocar por um cigarro, cerveja ou sanduíches como o mesmo afirma serem tão maléficos.
    Marco

    ResponderExcluir

Mais Lidos