quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Conflito entre CV e TCP na Maré já dura TRÊS semanas: "Tenho marcas de bala de fuzil na minha mesa"


Por Cecília Olliveira

Há três semanas que conflitos armados na Maré são diários. Terceiro Comando Puro (Morro do Timbau) e Comando Vermelho (Nova Holanda) romperam o “acordo de paz” firmado tempos atrás e a relativa tranqüilidade com que moradores da região se habituaram, acabou.

No meio destes dois territórios está a escola municipal Samora Machel, que ontem passou por uma situação complicadsíssima. A execução do Hino Nacional para a entrada do segundo turno foi interrompida a tiros. Alunos do turno da manhã ainda estavam na porta da escola.

Este poste fica em frente a Escola Municipal Samora Machel e tem marcas de balas que indicam entrada e saída de ambos os lados, ou seja, fogo cruzado. Foto: Cecília Olliveira

Alunos, pais e mães entraram para o refeitório e ali ficaram, abaixados, até que cessassem os tiros. Um garoto de 17 anos – que usava uniforme da escola, mas não era aluno – subiu a rua trocando tiros com o pessoal do TCP e morreu, com inúmeras perfurações de tiros de fuzil, na porta da escola. Durante a semana o carro de um professor foi perfurado com vários tiros. Um senhor foi baleado na segunda feira, quando a Nova Holanda estava sem luz.

O Blindado do 22° Batalhão (sim, este batalhão usa blindados) entrou na escola de ré, provocando ainda mais pavor naqueles que ali estavam e helicópteros da polícia sobrevoavam a área. A diretora chamou o comandante da área para conversar sobre a situação e os professores se dirigiram a CRE (Coordenadoria Regional de Educação), com o mesmo objetivo. O Batalhão fica na mesma rua, a Rua Principal, em que ocorrem os conflitos.

“A CRE (como se referem os professores às pessoas da Coordenadoria) disse que não pode fazer muita coisa porque segurança pública é assunto de âmbito estadual e não municipal. Não estamos seguros para dar aulas na semana que vem. Ninguém assegura nossa segurança. Eu sozinho é uma coisa. Agora imagine cuidar de mais 30 crianças? É muita responsabilidade!”, diz um professor.

Outro diz que na quinta feira conversava com um colega, que o ligou em pânico (eram de turnos diferentes). “Na sexta nos unimos e decidimos que não dá pra dar aulas. Não é seguro. A escola Helio Smith é assaltada toda semana”, disse.

As escolas Samora Machel e Elis Regina e as Creches Nova Holanda e Monteiro Lobato estão no meio deste fogo cruzado há uma semana e pouco se vê na mídia e menos ainda, por parte do poder público. Os direitos de ir e vir e o direito a educação não vigoram em todos os territórios da mesma forma, há tempos.

Sobre o desdém da CRE, que insinuou que os professores estavam fazendo “corpo mole”, uma professora questionou: "Você tem marcas de tiro de fuzil na sua mesa de trabalho? Eu tenho várias”.

ATUALIZAÇÃO

Quando havia uma semana de conflitos diários, professores se uniram e foram a CRE, que até hoje (já se somam três semanas) não tomou providências sobre a situação. Os conflitos continuam DIÁRIOS e a CRE mantém sua primeira resposta: Os diretores das escolas tem a autonomia pra decidir se haverá aulas ou não, isentando sua responsabilidade com a segurança dos profissionais e alunos que gere.

Funcionários das escolas da Maré estão tendo dificuldades de entrar e sair do seu ambiente de trabalho. Há professores que já se afastaram do trabalho, com atestado médico comprovanto seu desequilíbrio emocional e outros que outros pensando em pedir exoneração ou transferência.

De acordo com a CRE, diretoria e professores devem analisar se o ambiente está tenso o suficiente para suspender as aulas. Tal posicionamento ignora as circunstâncias reais de que não há como prever um tiroteio, e nem tampouco, garantir a segurança dos envolvidos.

Quem tomou "uma decisão" foi o tráfico, que alterou a entrada da Escola Municipal Samora Machel da Rua Principal, para a lateral esquerda. Agora os alunos entram na escola pela quadra de esportes. Os conflitos continuam na Principal.

5 comentários:

  1. E o secretário Beltrame, o que tem a dizer sobre isso?

    ResponderExcluir
  2. Talvez que um tiro na Maré é menos importante que um tiro em Copacabana...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai toma no cu seu a.d.a. Na mare tanbem tem morado inocente

      Excluir
  3. Antônio,o Rio está cheio de pessoas como voçê,voçê é a imagem da falta de educação,essa violencia começou com pessoas como voçê,continue assim,passe sua filosofia para seus filhos e um dia vou ver ele sendo carregado pelo bope.

    ResponderExcluir

Mais Lidos